terça-feira, 24 de janeiro de 2012

MINHA JUVENTUDE

                      Passei toda ela na companhia de meus pais, junto aos meus irmãos. Estudei  no colégio Normal, fiz o curso para professora primária. Acho que aproveitei muito pouco , pois fui mais recatada. As outras minhas irmãs, gostavam mais de sair, namorar. Eu fui mais de ficar junto da minha mãe. Tinha com ela uma enorme ligação espiritual. Uma vez, já morando em Recife para aonde me desloquei, meu pai  me falou "O amor dessas duas é tão grande que deveriam ficar juntas" Eu nunca me esqueci dessas palavras dele. É verdade ela lia meus pensamentos!. Não sei , talvez porque tive o início da minha infância difícil com os problemas de saúde, ela quisesse me compensar. E mesmo porque hoje eu sei que ela veio antes de mim para que eu tivesse condições para ser ingressada e aceita no seio da minha pequena família, que muito amo. Pois tudo que passei, hoje entendo que se fez necessário para que resgatasse o que preciso. E assim permaneci até a idade de dezenove anos na minha casa, junto a todo. Passei por várias experiências, que se tivesse a LUZ que hoje me ensina, teria feito diferente, em prol de mim mesma. Mas nem tudo se perdeu , ficaram os ensinamentos colhidos de cada uma. A gente é o que é , lutando para se melhorar e crescer cada vez mais...
                Sinto saudades dos velhos tempos, das horas alegres, da minha cidade pacata, onde brincávamos nas calçadas(pedrinhas).Das poucas "paqueras" que tive , e que uma delas me marcou profundamente. Da nossa casa sempre cheia de gente, éramos oito filhos, juntando-se aos que meu pai adotava, e a multidão dos aflitos a quem a  minha adorada mãe alimentava. Juventude sadia! Não se falava em drogas, brincadeiras sadias, buscávamos o lazer. Temos o caminho a percorrer, em qualquer parte ou em algum lugar. E chegado o momento, somos levados por um força maior para os acertos de contas das sementes que plantamos nas vidas pretéritas.Aí vem a separação, cada um toma o seu rumo. Deixando para trás toda uma história para dar início a mais uma etapa da existência, ficando os laços verdadeiros que nos une, se soubermos fortificá-los.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

MINHA ADOLESCÊNCIA


CLIQUE NA IMAGEM PARA VISITAR MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA.

AS RECORDAÇÕES ME FORAM!


LEMBRO-ME MUITO POUCO DA MINHA INFÂNCIA.AQUI TINHA ONZE ANOS. ESTUDAVA EM UMA CIDADE VIZINHA A MINHA, POIS A NOSSA ERA MUITO PEQUENA.AQUI ESTOU PRONTA PARA DESFILAR NO SETE DE SETEMBRO PELO MEU COLÉGIO.
NOS FINAIS DE SEMANAS VOLTAVA SEMPRE COM MEU PAI PARA MINHA CASA.ERA AINDA MUTO INFANTIL.

REGADA PELO AMOR


E ASSIM O AMOR FORTALECEU-ME. FUI AOS POUCOS SENDO REGADA ATRAVÉS DO CARINHO DAQUELES QUE ME RECEBERAM , QUE ABRIRAM AS PORTAS DOS SEUS CORAÇÕES PARA ME ACOLHER COMO FILHA. FIQUEI COMO A" MENINA DOENTE".NA REALIDADE EU IA ERA CRIANDO FORÇAS E ME DESENVOLVENDO AOS POUCOS, E VENCENDO O MEDO DE ME ENCONTRAR EM UM NOVO MUNDO.
DIZIA MINHA MÃE QUE POUCO DESFRUTEI DOS SEUS BRAÇOS, POIS ELA HAVIA ENGRAVIDADO E  UM ANO APÓS AO MEU NASCIMENTO OUTRA FILHA CHEGAVA PARA HABITAR NOSSA CASA.ELA TEVE QUE DIVIDIR O SEU TEMPO PARA CUIDAR DE NÓS DUAS AINDA PEQUENAS E DAS DUAS IRMÃS MAIS VELHAS.MAS A MINHA LIGAÇÃO COM ELA SEMPRE FOI MUITO FORTE!

AS FLORES EXALAM PERFUMES COM PODERES CURADORES

ENQUANTO ELAS ME CERCAVAM DE CUIDADOS MATERNOS,ELE  MEU PAI -ANTÔNIO PIANCÓ COMPLEMENTAVA COM SEUS PASSEIOS AO JARDIM, TENTANDO ME ALEGRAR! OBRIGADA PAI PORQUE CONTRIBUÍSTES PARA AQUI CONTINUAR.

MÃE TALVEZ UM PEDAÇO DO CÉU QUE DEUS TRANSFORMOU EM MULHER!


MINHA MÃE, MINHA AMIGA!- RITA BARBOSA PIANCÓ

MÃE QUE O CORAÇÃO EM GRATIDÃO JAMAIS ESQUECE! -MARIA DOLORES PIANCÓ

ELAS ME DERAM DA ÁGUA DO AMOR. ME FIZERAM ACORDAR PARA QUE PERMANECESSE NESSE PLANO .
SOFRERAM COMIGO, E COMIGO PASSARAM HORAS AFINS EM VIGÍLIA , ROGANDO AOS CÉUS PELA MINHA PERMANÊNCIA NA TERRA.NÃO ESQUECERAM DE MIM.!

O AMOR É A MOLA DA VIDA!

Amor, eterno amor

É o direito de viver
Amor, eterno amor
Direito de nascer
Pra ser feliz, quanto sofri
É sempre o amor mais forte
Mais forte do que a morte
Viver, crescer, vencer
Direito de nascer
Amor, eterno amor
Cheio de paz
Todo de Deus
Amor, eterno amor
Razão dos dias meus
Se a fé que trago em mim
Me faz assim
Não vou mudar
É sempre o amor mais forte
Mais forte do que a morte
Viver, crescer, vencer
Direito de nascer...

SEI QUE CHEGUEI!



          Sei que em um dia não muito longe cheguei mais uma vez, desta feita nos meados dos anos cinquenta. Em uma cidade bem pequena, no seio de uma família simples e humilde, mas de grande coração.
Soube que foi um trabalheira grande para que permanecesse. A matéria delicada, sensível, muito raquítica.
Dizia o anjo que me adotou como filha, que para que eu ficasse com ela, lhe custou muitas noites de sono, cansaço, até "vela na mão levei."Disse que meu pediatra o Seu Oliveira , farmacêutico da cidade confirmou que eu tinha "gasto enterite."
E é que um certo dia, dizia-me ela que depois de longos dias de sono , junto a uma segunda mãe que me criou também , dedicando-me todo o seu amor unida a minha mãe biológica, apenas molhando os meus lábios com um algodão com água, pois não comia nada. Ela me encontra dentro da minha rede que servia-me de berço brincando com as minhas mãos. Então ela gritou exclamando para a minha tia paterna Dolores: “corre comadre Dolores que a minha filha vai escapar”! E daí para frente fui levantando o pescoço. Meu pai levava-me para o jardim da nossa casa, mas eu começava a chorar quando via as flores balançando. Dizia ela que era de  fraqueza. E foi assim que cheguei, e fui acolhida com imenso amor que me dedicaram até os últimos momentos de suas estadias no plano material. Cuidaram de mim, protegeram-me, ensinaram-me e guiaram-me a uma vida simples, mas fundamentada dentro dos Princípios Sagrados de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A CAMINHADA VEM DE LONGE!




 NÃO SEI QUANTO TEMPO, QUANTAS REENCARNAÇÕES, SEI SIMPLESMENTE QUE RECEBI O DIREITO DE NASCER, MORRER E RENASCER.


Levei também muitos séculos para compreender que tantas vidas, tantas oportunidades que me foram concedida teria um objetivo na minha existência corporal.


TAMBÉM AGORA NÃO MAIS ME INTEREÇA SABER DE ONDE VIM E O QUE FIZ.